Central Manipulados
Model: Central Manipulados
Product ID: 2479
Product SKU: 2479
New In stock />
Tadalafila 20mg + Arginina 500mg - 180 Cápsulas

Tadalafila 20mg + Arginina 500mg - 180 Cápsulas

Marca: Central Manipulados
Modelo: Central Manipulados
Disponibilidade: Disponível em 5 dias úteis
Referência: CM0526
aguarde, carregando preço...
 
Simulador de Frete
- Calcular frete

TADALAFILA 20 MG + ARGININA 500 MG

VENDA SOB PRESCRIÇÃO MÉDICA

Composição:

 

Tadalafila....20 mg

Arginina.....500mg

Excipientes...qsp

Estima-se que quase 150 milhões de homens no mundo inteiro são afetados pela disfunção erétil. Na população com idades entre 40 e 70 anos, a incidência da disfunção erétil é de aproximadamente 50%. Após a idade de 70 anos, o estimado é de que 70% dos homens tenham disfunção erétil. Definição da Disfunção Erétil: quando existe um estímulo sexual, o pênis se enche de sangue e ocorre a ereção. Se o homem tiver disfunção erétil (DE), o pênis não se enche de sangue de forma adequada e a ereção não é suficiente para ocorrer uma relação sexual. A disfunção erétil, também chamada de impotência sexual, pode ter diversas causas. É importante consultar um especialista para descobrir a natureza desse problema. Tadalafila é um fármaco sintético que pode auxiliar o homem com DE a obter e manter uma ereção quando estiver sexualmente excitado. Tadalafila é um medicamento para a dificuldade de obtenção e/ou manutenção da ereção do pênis (disfunção erétil). Tadalafila ajuda a aumentar o fluxo de sangue no pênis e pode auxiliar homens com disfunção erétil a obterem e manterem uma ereção satisfatória para a atividade sexual. Uma vez completa a relação sexual, o fluxo sanguíneo diminui e a ereção termina. Para Tadalafila funcionar, é necessário uma excitação sexual. O homem não terá uma ereção apenas por tomar uma dose de Tadalafila, sem estimulação sexual. Tadalafila age, em média, a partir de 30 minutos, podendo ter ação por até 36 horas.

Propriedades

• Auxiliar na melhora da disfunção erétil;

• Redução dos sintomas da Hiperplasia Prostática Benigna (HPB).

Mecanismo de ação

Tadalafila é um inibidor enzimático seletivo da fosfodiesterase tipo 5 (PDE 5), responsável pela degradação da substância conhecida como Monofosfato de guanosina cíclico (GMPc). Em circunstâncias normais de estimulação sexual, o GMPc é produzido no pênis, permitindo ao músculo do tecido esponjoso peniano (corpos cavernosos) relaxar após o ato sexual. Ao bloquear a degradação do GMPc, Tadalafila restabelece a função erétil. No entanto, se não houver a estimulação sexual, a ereção não pode ocorrer. O tempo de meia vida do Tadalafila é de 17 a 36 horas, período durante o qual, se houver estimulação sexual, podem ocorrer ereções sem qualquer problema. A Hiperplasia Prostática Benigna (HPB) é o aumento benigno da próstata que pode causar o estreitamento da uretra e dificuldade de micção. Tadalafila atua relaxando a musculatura da próstata, da bexiga e dos vasos sanguíneos. O relaxamento da vasculatura resulta no aumento do suprimento de sangue pela próstata e bexiga e pode reduzir os sintomas da HPB. O relaxamento da próstata e da bexiga podem complementar estes efeitos vasculares. Tadalafila é absorvido pelo organismo em um tempo médio de 2 horas após a administração oral.

Comprovação de eficácia

O Tadalafila, administrado antes da atividade sexual, foi avaliado em seis estudos clínicos que incluíram 1.328 homens acometidos por Disfunção erétil. Um destes estudos incluía apenas homens diabéticos. A dosagem diária do fármaco foi estudada em três estudos suplementares com a duração de 12 a 24 semanas e que incluíram um total de 853 indivíduos acometidos pela patologia. Em todos os estudos, os efeitos do Tadalafila foram comparados aos do placebo e o principal parâmetro de eficácia foi à capacidade de obter e manter uma ereção. Esta capacidade foi registada através de questionários. Tadalafila também foi estudado em indivíduos acometidos por Hiperplasia Prostática Benigna (HPB). Foram realizados quatro estudos principais que compararam o fármaco a um placebo em 1.500 indivíduos acometidos pela patologia, incluindo alguns que sofriam também de disfunção erétil. O principal parâmetro de eficácia foi à melhora dos sintomas após 12 semanas. Na totalidade dos estudos, Tadalafila demonstrou ser significativamente mais eficaz do que o placebo. Num dos questionários em que a pontuação máxima era de 30, os participantes que obtiveram cerca de 15 pontos antes do tratamento registaram 22,6 ou 25 pontos após o tratamento com Tadalafila, nas dosagens de 10 mg ou 20 mg, respetivamente. De um modo geral, nos estudos de populações gerais, 81 % dos pacientes revelaram que o Tadalafila administrado “quando necessário” melhorou as suas ereções, em comparação com 35 % dos tratados com placebo. Os acometidos por DE tratados com o Tadafila uma vez ao dia nas doses de 2,5 ou 5 mg também apresentaram melhores ereções, em comparação com os que tomaram placebo. Tadalafila na dose de 5 mg, também foi mais eficaz do que o placebo em todos os estudos em pacientes com hiperplasia prostática benigna, registrando se uma melhoria significativa dos sintomas após 12 semanas, em comparação com o placebo.

Segurança e tolerabilidade

Tadalafila foi administrado em mais de 5.700 homens com idade entre 19 e 87 anos, durante os estudos clínicos ao redor do mundo. Mais de 1.000 pacientes foram tratados por mais de um ano e mais de 1.300 pacientes foram tratados por mais de seis meses. Em estudos clínicos placebo-controlados, a taxa de descontinuação devido a eventos adversos em pacientes tratados com Tadalafila foi de 3,1%, comparada a 1,4% de pacientes tratados com placebo. Nestes estudos, os efeitos adversos relatados com Tadalafila foram geralmente leves ou moderados, transitórios e diminuíram com a continuação do tratamento. Nos estudos clínicos, os seguintes eventos adversos foram relatados:

• Muito comuns (>= 10%): dor de cabeça.

• Comuns (>= 1% e =< 10%): dor lombar, tontura, dispepsia, rubor facial, mialgia, congestão nasal.

• Raros (>= 0,1% e < 1%): hiperemia conjuntival, sensações descritas como dor no olho, inchaço das pálpebras.

No acompanhamento pós-comercialização, os seguintes eventos adversos que foram relatados muito raramente em associação temporal nos pacientes usando Tadalafila incluíram: • Corpo como um todo: reações de hipersensibilidade, incluindo erupção cutânea, urticária, e edema facial, síndrome de stevens-johnson e dermatite esfoliativa. • Cardiovascular e cerebrovascular: eventos cardiovasculares graves, incluindo infarto do miocárdio, morte súbita cardíaca, acidente vascular cerebral, dor torácica, palpitações e taquicardia foram relatados pós comercialização em associação temporal com o uso de Tadalafila.

A maioria dos pacientes que relataram estes eventos tinham fatores de risco cardiovascular pré-existentes. Entretanto, não se pode determinar definitivamente se estes eventos são relacionados diretamente a estes fatores de risco, à Tadalafila, à atividade sexual, ou a combinação destes e outros fatores. Hipotensão (mais comumente relatada quando Tadalafila é utilizado por pacientes que já estão tomando agentes anti-hipertensivos), Hipertensão e síncope. Gastrointestinal: dor abdominal e refluxo gastroesofágico. Pele e tecidos subcutâneos: hiperidrose (sudorese). Sentidos especiais: visão borrada, neuropatia óptica isquêmica anterior não arterítica, oclusão da veia retiniana, diminuição (alteração) do campo visual. A neuropatia óptica isquêmica anterior não arterítica (caracterizada pela diminuição da visão, implicando em perda permanente da visão) foi um evento póscomercialização relatado raramente em associação temporal com o uso de medicamentos inibidores da PDE 5. A maioria dos pacientes, porém nem todos, tinham fatores de riscos anatômicos de base ou vascular para desenvolver a neuropatia óptica isquêmica anterior não arterítica, incluindo, mas não se limitando necessariamente a: baixa relação entre a escavação e o diâmetro da papila, faixa etária acima dos 50 anos, diabetes, hipertensão, doença coronariana, hiperlipidemia e tabagismo. Não é possível determinar se estes eventos estão relacionados diretamente com o uso dos inibidores da PDE 5 em pacientes com fatores de risco vasculares de base ou defeitos anatômicos, uma combinação destes fatores ou outros fatores.

Informações de qualidade e segurança

Tadalafila é contraindicado em pessoas hipersensíveis (alérgicas), e sempre que não seja recomendável a atividade sexual (por exemplo, homens com doença cardíaca). É também contraindicado em pacientes que tenham sofrido perda da visão devida a um problema ligado ao fluxo sanguíneo para o nervo ótico (neuropatia ótica isquêmica anterior não arterítica - NOIA). É contraindicado o uso do Tadalafila com nitratos (um tipo de medicamento usado no tratamento da angina). O risco potencial da atividade sexual para homens com doença cardiovascular deve ser tido em consideração pelo médico. O Tadalafila não deve ser tomado por pessoas que tenham sofrido um ataque cardíaco nos três meses precedentes, um acidente vascular cerebral nos seis meses precedentes ou que apresentem problemas de pressão arterial elevada ou insuficiência cardíaca (batimento cardíaco irregular), uma vez que não foi estudado nestes grupos de indivíduos. Tadalafila não deve ser utilizado por homens que não apresentam disfunção erétil ou Hiperplasia Prostática Benigna (HPB). Pacientes que fazem uso dos seguintes medicamentos: propatilnitrato (Sustrate – medicamento para o coração), isossorbida (Monocordil, Cincordil, Isordil), Nitroglicerina (Nitradisc, Nitroderm TTS, Nitronal, Tridil) e dinitrato de isossorbitol (Isocord), não podem utilizar Tadalafila. Não há recomendações e advertências especiais quanto ao uso de Tadalafila por idosos. Pessoas acometidas por: problemas cardíacos, hipertensão e hipotensão, derrame, problemas no fígado, problemas renais, problemas estomacais, problemas de coagulação e priapismo (ereção com mais de quatro horas), leucemia e doenças sanguíneas, devem utilizar Tadalafila sob orientação médica.

Indicações

Tadalafila é indicado para homens com disfunção erétil (impotência sexual) e para os tratamentos dos sinais e sintomas de Hiperplasia Prostática Benigna (HPB), melhorando os problemas causados pelo fluxo de urina nestes pacientes. Tadalafila é um medicamento e só pode ser manipulado mediante receita médica.

Sugestão de dosagem

Com base nos estudos de segurança e eficácia, a dose recomendada Tadalafila é de 2,5 a 20mg diários. Para a Disfunção erétil, a dose recomendada de Tadalafila é de 10mg, tomada com ou sem alimentos, quando necessário, pelo menos 30 minutos antes da atividade sexual. A dose pode ser aumentada para 20mg em homens que não reajam à dose de 10mg. A frequência máxima de administração recomendada é de uma vez ao dia. Para DE o uso diário de Tadalafila não é recomendado. Tadalafila pode ser administrado uma vez ao dia, numa dose mais reduzida, nos homens que pretendam utilizá-lo com frequência (duas vezes por semana ou mais), sempre de acordo com as indicações do médico. Nesta indicação, a dose é de 5 mg ao dia, mas poderá ser reduzida para 2,5mg uma vez ao dia dependendo de como é tolerado. O medicamento deverá ser tomado aproximadamente à mesma hora todos os dias e a adequação da dosagem diária deverá ser reavaliada regularmente. No tratamento de homens com Hiperplasia Prostática Benigna ou de homens que sofram de Hiperplasia Prostática Benigna e Disfunção Erétil em simultâneo, a dose recomendada é de 5 mg uma vez ao dia. Indivíduos acometidos por problemas hepáticos ou renais graves não deverão tomar doses superiores a 10mg diários. O uso diário do Tadalafila não é recomendado para indivíduos com problemas renais graves e deverá ser prescrito aos portadores de problemas hepáticos unicamente após uma avaliação cuidadosa dos riscos e benefícios do tratamento com este fármaco.

Informações de Armazenamento

Tadalafila deve ser armazenado em local fresco, livre de luz e umidade.

Arginina

A Arginina estimula a hipófise, aumentando a secreção do hormônio de crescimento; isso explica sua ação queimando gorduras e promovendo o desenvolvimento da massa muscular. Durante o exercício físico, através de desaminação das proteínas, o organismo produz grande quantidade de amônia. O aumento na concentração de amônia por sua vez produz um aumento de lactato sanguíneo, ocasionando a fadiga muscular. A Arginina e a Ornitina convertem a amônia em uréia (30 vezes menos tóxica) diminuindo, assim, a fadiga muscular.

INDICAÇÕES

• Na hiperamonemia, ajudando na excreção do excesso de nitrogênio;

• Nos casos de necessidade de liberação do hormônio do crescimento;

• Nos casos de imunodepressão, aumentando o número de linfócitos T;

• Para o desenvolvimento muscular e redução das gorduras corpóreas;

• Na cicatrização de queimaduras e outros ferimentos;

• Como hepatoprotetor, desintoxicando o organismo;

• Para aumentar a fertilidade masculina;

• Nos casos de artrite e desordens do tecido conectivo;

• Para estimular o pâncreas a liberar insulina;

• Como auxilio diagnóstico na avaliação da função hipofisária;

• Nos casos de impotência

DOSES E USOS

USO ORAL

As doses utilizadas variam em geral entre 100 a 1000mg. Outras referências citam doses de 500mg e 6g ao dia, sendo a última dosagem aplicada 3g duas vezes ao dia.

PRECAUÇÕES

A Arginina deve ser tomada de estômago vazio e ao deitar.

TOXICIDADE E EFEITOS ADVERSOS

Em altas doses, a Arginina pode causar doenças ósseas e de pele. Na superdosagem, podem ocorrer náuseas e diarréia aquosa. Doses muito altas de Arginina podem agravar distúrbios mentais em esquizofrênicos.

CONTRA INDICAÇÕES

A suplementação de Arginina não é recomendada para jovens, cujo desenvolvimento ósseo ainda está incompleto. O uso prolongado de doses altas pode oferecer riscos para portadores de algumas formas de insuficiência renal ou hepática. Essas pessoas só devem usar Arginina com supervisão médica. Pessoas com infecções virais como herpes não devem tomar suplementos de Arginina, que poderia estimular a multiplicação de certos vírus. Mulheres grávidas e em fase de amamentação também devem evitar suplementos de Arginina. Pessoas com esquizofrenia devem evitar o uso de mais de 30 mg/dia. O uso de prolongado é contra-indicado, principalmente em altas doses.

*Não se trata de propaganda, e sim de descrição do produto, consulte sempre um especialista.

Venda sob prescrição médica.

1. Nunca compre medicamento sem orientação de um profissional habilitado.

2. Imagens meramente ilustrativas.

3. Pessoas com hipersensibilidade à substância não devem ingerir o produto.

4. Em caso de hipersensibilidade ao produto, recomenda-se descontinuar o uso e consultar o médico.

5. Não use o medicamento com o prazo de validade vencido. Qualquer dúvida entre em contato conosco.

6. Manter em temperatura ambiente (15 a 30ºC). Proteger da luz, do calor e da umidade. Nestas condições, o produto se manterá próprio para o consumo, respeitando o prazo de validade indicado na embalagem.

7. Todo medicamento deve ser mantido fora do alcance das crianças.

8. Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica.

9. Siga corretamente o modo de usar. Não desaparecendo os sintomas, procure orientação médica.

10. O uso do medicamento durante o período de amamentação também não é recomendado.

11. "SE PERSISTIREM OS SINTOMAS, O MÉDICO DEVERÁ SER CONSULTADO".

12. Enviar receita para e-mail centraldrogariaitapo@hotmail.com.

VALIDADE: 10 meses após a data de fabricação.

TADALAFILA É UM MEDICAMENTO. SEU USO PODE TRAZER RISCOS. PROCURE UM MÉDICO OU UM FARMACÊUTICO. LEIA A BULA.

MEDICAMENTOS PODEM CAUSAR EFEITOS INDESEJADOS. EVITE A AUTOMEDICAÇÃO: INFORME-SE COM O FARMACÊUTICO.

VENDA SOB PRESCRIÇÃO MÉDICA.

Referências bibliográficas

http://www.ema.europa.eu/docs/en_GB/document_library/EPAR_Summary_for_the_public/human/000436/WC500026312.pdf – Tadalafil. European Medicines Agency, EMA/685342/2012 - último acesso: 10/03/2015.

http://iberoquimica.com.br/Arquivos/Insumo/arquivo-114709.pdf

A Enciclopédia de Vitaminas e Minerais, Sheldon Saul Hendler, Ed. campus, Págs. 219- 225;

Dorland. Dicionário Médico Ilustrado. Ed. Manole, Pág. 123; 3) The Extra Pharmacopoeia, 29ª edição, Vol. II - pág. 1.254;

Prescription for Nutritional Healing, James F. Balch, Phyllis A. Balch,2a . Edição, Avery Publishing Group, Nova Iorque, 1997, Pág. 36;

Intramedicine – Professional Monographs – Nutraceuticals – Arginine (www. intramedicine.com).

BATISTUZZO, J.A. et all. Formulário Médico Farmacêutico. São Paulo: Tecnopress, 2ª edição, 2002;

Ribeiro, C. Cosmetologia Aplicada a Dermoestética. 1ªedição. São Paulo: Pharmabooks, 2006;

FERREIRA, A.O. Guia Prático da Farmácia Magistral. Juiz de Fora: Pharmabooks, 2002.

http://www.purifarma.com.br/Arquivos/Produto/LARGININA%20HCL_Nova%20Literatura.pdf

 

 

Deixe seu comentário e sua avaliação







- Máximo de 512 caracteres.

Clique para Avaliar


  • Avaliação:
Enviar
Faça seu login e comente.

Características


Produtos Visitados

CNPJ: 00.934.025/0001-62

Endereço: Rua Doutor Felipe Vita, 1228 - Centro - Itaporanga - SP

Telefone: (15) 3565-1365

Farmacêutico Técnico Responsável: Igor Vinicius Furtado - CRFSP 93065

Autorização de Funcionamento de Empresa(AFE) - 7.14.08

Licença Sanitária - 352280201-477-000025-1-8

^
subir